PARECE MAS NÃO É

22 julho, 2020

Design sem nome

A concepção de uma política pública e sua implementação continua sendo o almejo da classe artística potiguar, seus agentes e produtores mais diretos. É o nosso calcanhar. Luta antiga, infelizmente essa reivindicação se arrasta penosamente durante nossa atuação ao largo da vida, como artistas que somos, também em certa medida omissos em pontuar com sinceridade a questão.

Basta analisar com mais propriedade a situação e damos de cara com inconsistências explícitas, que aparecem à simples folheada no programa de campanha dessa atual gestão estadual. É certo!, os tempos não são normais. Mas nunca foram mesmo para os trabalhadores da área cultural. Somos um setor ainda profundamente incompreendido diante dessa sociedade predatória em que nos transformamos mundialmente, a olhos vistos, e aqui em nada estamos diferentes do resto desse país velho atrasado. Soamos anacrônicos!

A política cultural do estado não passa de um propósito. Sequer transpõe as linhas das pautas das reuniões institucionais e nunca vai além de uma leitura de lábias. Uma câmara setorial não é apenas um grupo de zap, minha gente.

Há críticas que devemos fazer, e explicitamente.
Não é pelo fato da governadora ir ao lançamento de um livro que devamos inferir que o governo apoia, e mais que isso, aposta/desenvolve (n)uma política cultural para o segmento artístico. Empresta o prestígio da autoridade ao evento, mas não consolida uma demanda justa a um conjunto de atores sociais que são importantes e significantes no tecido da cultura, inclusive na atual conjuntura, onde se demonstra de um fundamento indispensável.

Há muito por fazer. E já estamos mais de ano com o tempo correndo. Urge que haja mobilização para que tenhamos um Conselho Estadual de Política Cultural (CEPC), uma das principais bandeiras do Fórum Potiguar de Cultura, que desde a transição apresenta diretrizes para agilizar a democratização desses espaços de poder. Pede-se também uma Secretaria e, no mínimo, um Departamento de Política Cultural.

Vale a luta!
Vale essa campanha, pelo menos entre nós.
Vale a crítica não-velada, aberta, objetiva, a fim de positivar algo que até o momento deixa mesmo a desejar. Os editais, apregoados, sinalizam pouco. Viu-se agora, por exemplo, nesse mais recente, a quantidade de inscrições no campo da música superar em muito a oferta. Além do que, editais por si só não configuram uma política, planejada, contínua e efetiva, e melhor, articulada e construída com a sociedade civil.

Por ora, estamos diante de uma emergência, eu sei. Estamos sendo socorridos com uma lei nacional e recursos do fundo nacional de cultura e esperamos que durante esse semestre doente nos chegue o básico pão da nossa mesa.

A Arte feita aqui tem fome sim, mas não nos serve mais apenas esse prato frio e repetido, passageiro e fugaz.

 

 

leia a coluna a/cEsso

Me visite no Sítio!

 

Uma resposta para “PARECE MAS NÃO É”

  1. Novenil Barros said

    Bravo, Esso !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: