cooperativa reunida

Fundada há 2 anos por iniciativa dos próprios músicos, a Rede Potiguar de Música vem sendo responsável por dinamizar a cadeia produtiva do setor, organizando-se a partir das recentes demandas exigidas por uma nova realidade em construção. Tem sido cada vez mais necessário se adequar a um novo modelo, atualmente sendo configurado em conformidade com uma prática política mais moderna e tecnologias em evolução.

Tal não pode ser outro o caminho escolhido e a ser trilhado por um grupo de músicos e outros profissionais ligados à categoria, que respondem dentro da Rede por diferentes entidades representativas, cada dentro de sua especificidade, entre as quais se encontram o Fórum Permanente de Música (FPM/RN), o Sindicato dos Músicos (Sindimusi/RN), além da recém-criada COMPOR – Cooperativa da Música Potiguar.

Com todos esses procedimentos, e apesar de eventuais desacertos, a música potiguar vem procurando um jeito para se posicionar de forma clara e diligente perante todas as questões que envolve os elos de sua cadeia. Buscar essa sincronia com a atualidade e demandas que são pertinentes a outros cenários e estados brasileiros, se mantendo antenada com as diretrizes de uma política específica para a área já nos coloca numa perspectiva mais acertada dentro do compasso de nossa época. Esqueçamos os antigos ranços, os velhos modos do passado, e apostemos nossas fichas em uma postura mais proativa, organizada e coletiva.

Após esse demorado e complexo processo de legalização da cooperativa, para a qual todos os membros mais ativos da Rede foram arrastados, resta-nos agora nos reorientarmos para identificar de maneira mais equilibrada o novo papel da Rede Potiguar de Música, pois ela sim que será o grande baluarte de nossas lutas e conquistas, agregando novos parceiros e articulando novos arranjos para conjuntamente trabalharmos por uma evolução daquilo que optarmos por construir visando melhorias e definições desses cenários até aqui um pouco imprecisos.

O fato é que já há algumas gerações a música local vem passando por tentativas de sedimentar sua atuação, de forma sustentável, tanto política quanto economicamente, e nos encontramos mais uma vez em plena empreitada. Contamos desde a primeira hora com o apoio do Sebrae, que tem sido o ambiente de toda essa recente reformulação, e revitalizamos o Fórum Permanente, além de criarmos a cooperativa. Não é pouco, mas ainda queremos muito mais. Estamos às vésperas de lançar o nosso primeiro catálogo, com artistas e prestadores de serviço relacionados, e deveremos em breve firmar vários convênios com outras instituições, ao mesmo tempo em que estamos nos abrindo para iniciar uma interiorização de nossa atuação, a se configurar de forma mais enfática com a adesão da Unibam, entidade que reúne as bandas de música de várias cidades do estado.

Para absorver esta e outras importantes entidades, maiores ou menores, iniciando-se ou já expressivas, temos que manter aberta essa porta para onde entramos, e oferecer a cada dia a mais, maturidade, capacidade, força e coesão.

leia a coluna a/cEsso

Me visite no Sítio!

Recebi convite para participar dessa programação, e embora ela já esteja acontecendo, repasso aqui o relise e cartaz, enviado pelo Péricles Filgueira, estudante do curso de Produção Cultural, um dos organizadores do evento, e também integrante da Rede Potiguar de Música.

Seg:

Cartaz

A cada dia a Produção Cultural tem se tornado uma área mais dinâmica. Seus processos dialogam com diversos outros setores no sentido de tornar o fazer artístico mais acessível, usual e democrático. É neste contexto que o “Diálogos em Produção Cultural” se situa na busca por uma reflexão a acerca de tais processos.

Em sua primeira edição, o evento pretende abordar, de maneira transversal, questões agregadas ao contexto da crítica em arte, captação de recursos e terceiro setor. Distribuído ao longo de três dias, o “Diálogos em Produção Cultural” busca fomentar uma reflexão coletiva peranteo contexto da produção cultural local através de minicurso, oficinas e mesas-redondas.

O evento experimental faz parte das atividades do projeto integrador e que busca levar os conhecimentos adquiridos em sala de aula para a prática do aluno enquanto futuro profissional. A realização se dá por meio dos alunos do 4º período do Curso de Tecnologia em Produção Cultural e conta com o Apoio do IFRN – Campus Cidade Alta, site O Inimigo, Programa Rumos Itaú Cultural, BNB, SEBRAE e Rede Potiguar de Música.

Abaixo a programação:

Dia 05/07 Terça-Feira

15h Minicurso: “Crítica Musical e Redes Sociais”
Equipe do site “O Inimigo” (Hugo Morais e Alexis Peixoto)
Sala 60, Campus Cidade Alta – IFRN
19h Mesa-redonda: “Curadoria e Crítica em Arte”
Prof. Dr. Sávio Araújo – DEART – UFRN e
Sânzia Pinheiro – Curadora do Programa Rumos Artes Visuais (Itaú Cultural)

Dia 06/07 Quarta-Feira

15h Oficina:“Elaboração de Projetos Culturais – Princípios Básicos”
com Deyse Lene Santos de Moura (assistente de comunicação e cultura da Superintendência Estadual do Banco do Nordeste no RN)
Sala 79, Campus Cidade Alta – IFRN.
19h Palestra:“Captação de Recursos para Projetos Culturais: Relato de experiência” com ScillaGabel – Agente Cultural

Dia 07/07 Quinta-Feira

17h Palestras
– “Como formar uma cooperativa ou associação cultural”.
– “Empreendedor Individual”.
18:30h Mesa-redonda: “Cooperativas, dificuldades e perspectivas”
com Esso Alencar – representante da RPM, Antônia Zens – representante da antiga Cooperarte e representante da SESCOOPPRN.

Inscrição de oficina ou minicurso :Enviar nome completo, CPF (para certificado) e especificar atividade de interesse. Todas as atividades do evento são gratuitas.

Informações:
E-mail: dialogospc@gmail.com
(84) 8824-5600 ou (84) 4005 2665
Twitter: @dialogospc

leia a coluna a/cEsso

Me visite no Sítio!